Direitos Europa Homofobia Notícias Política Trans

França e Canadá proíbem “terapias de conversão”

França e Canadá aprovaram, por unanimidade, os projectos de lei que proíbem as chamadas “terapias de conversão”. Se no Canadá a legislação entrará em vigor no início do próximo mês de janeiro, já em França o seu corpo político deverá agora concordar com uma versão comum do texto num comité conjunto conjunto para aprovar a lei. No entanto, se o acordo falhar, a Assembleia Nacional, esmagadoramente a favor do texto, terá a última palavra.

Como explicou anteriormente Nuno Carneiro, psicólogo clínico, a tentativa de mudança da orientação sexual de uma pessoa “é mais do que ineficaz, é profundamente maleficente”. Pode agravar o estado de saúde mental de quem à partida já procurou ajuda para algum tipo de problema, seja depressivo ou de outro tipo. Pode levar ao “abuso de substâncias, abandono escolar, ataques de pânico e sofrimentos de vários tipos atribuídos a patologias que não o são”. E, em casos extremos, ao suicídio.

Ser você mesma não é um crime. Ser-se homossexual ou transgénero não é uma doença que possa ser tratada. Não, não há nada para curarreferiu Elisabeth Moreno, Ministra francesa da Igualdade, denunciando essas práticas como “ataques insuportáveis à integridade humana“.

Já o Primeiro Ministro canadiano, Justin Trudeau anunciou:”É oficial: a legislação do nosso governo que proíbe a prática desprezível e degradante de “terapia de conversão” recebeu o consentimento real – o que significa que agora é lei. Pessoas LGBTQ2 canadianas, sempre as defenderemos e os vossos direitos!

O Canadá e a França são os mais recentes de um número crescente de países, incluindo Brasil, Equador, Alemanha, Malta e regiões de Espanha, que proibiram completamente a terapia de conversão. O governo do Reino Unido comprometeu-se igualmente a proibir práticas de conversão.

Em Portugal, a ainda Deputada Cristina Rodrigues propôs a proibição de “terapias de reorientação sexual”, prevendo pena de prisão de até três anos ou multa para quem promover as nefastas práticas. “Está na altura de Portugal dar mais um passo no reforço dos direitos das pessoas LGBTI+ com a aprovação de legislação que proíba a utilização de ‘terapias de conversão’“, comentou em abril.

Esta é uma medida também acompanhada pelo Bloco de Esquerda que propôs, no dia 17 de maio, uma medida semelhante dado que “estes processos não são terapias pelo simples facto de que a orientação sexual, a identidade ou expressão de género, não são doenças, são características pessoais próprias de cada indivíduo, essenciais ao seu equilíbrio, saúde e vivência social. Não há nada que curar“, notou a deputada Fabíola Cardoso, autora do projeto de lei bloquista.

Ainda que com eleições legislativas em breve, Portugal tem assim um objetivo concreto para alcançar nos próximos meses e salvaguardar a saúde e a dignidade das pessoas que são submetidas à violência de uma pseudo-“terapia de conversão”.


Ep. 113 – Rock the Vote (com Diogo Pereira): ESPECIAL LEGISLATIVAS Dar Voz a esQrever: Pluralidade, Diversidade e Inclusão LGBTI 🎙🏳️‍🌈

O centésimo décimo terceiro episódio do Podcast Dar Voz A esQrever 🎙️🏳️‍🌈 é apresentado por nós, Pedro Carreira e Nuno Gonçalves. Não só mas também! É que esta semana temos o nosso correspondente especial em Bruxelas, o grande Diogo Pereira! Tudo a propósito do texto que ele escreveu, avaliando com arco-íris (ou não) os programas eleitorais dos partidos políticos para as legislativas, consoante as menções a medidas concretas para pessoas LGBTI. Falamos do programa de cada um dos partido democráticos e ainda fazemos o rescaldo do Rescaldo LGBTI, um debate da ILGA Portugal com representantes de todos os partidos políticos que aceitaram o convite. Ainda temos tempo para Dar Voz A… o Diogo fala da série Causa Justa da RTP e nós falamos da vitória de um Globo de Ouro pela MJ Rodriguez de Pose, a primeira pessoa trans a conquistar o galardão e ainda da disponibilização da série Golden Girls na Disney+, pouco tempo depois do falecimento da querida Betty White. Para participarem e enviar perguntas que queiram ver respondidas no podcast contactem-nos via Twitter e Instagram (@esqrever) e para o e-mail geral@esqrever.com. E nudes já agora, prometemos responder a essas com prioridade máxima. Podem deixar-nos mensagens de voz utilizando o seguinte link, aproveitem para nos fazer questões, contar-nos experiências e histórias de embalar: https://anchor.fm/esqrever/message 🗣 – Até já unicórnios 🦄 Música de Madonna; Jingle por Hélder Baptista 🎧 Este Podcast faz parte do movimento #LGBTPodcasters 🏳️‍🌈
  1. Ep. 113 – Rock the Vote (com Diogo Pereira): ESPECIAL LEGISLATIVAS
  2. Ep. 112 – Bello Embustero: Pedro Choy, Terapias de Conversão e Pseudociência
  3. Ep. 111 – Thank You For Being a Friend 2: Adeus a Betty White e Até Sempre!

O Podcast Dar Voz A esQrever 🎙🏳️‍🌈 está disponível nas seguintes plataformas:
👉 Spotify 👉 Apple Podcasts 👉 Google Podcasts 👉 Pocket Casts 👉 Anchor 👉 RadioPublic 👉 Overcast 👉 Breaker 👉 Podcast Addict 👉 PodBean 👉 Castbox 👉 Deezer

2 comentários

  1. Cada vez mais, fica ampliado o conceito de atração indo além do gênero e da beleza, chegando até a questão da inteligência, conversas mutuamente agradáveis, ser extrovertido ou não (antigamente os tímidos “reclamavam” de não serem “notados”). E a sexualidade reprimida gera comportamentos agressivos, pelos transtornos mentais que acarreta. Convém lembrar que nas relações sexuais há troca de energia, que culminam nos chamados “fluidos sexuais”: uma série de hormônios que nos levam do relaxamento a excitação e depois a volta ao relaxamento! Por isso, toda relação sexual deva ocorrer mediante prazer mutuo! Por todo esse contexto, também penso, que deva ser melhor avaliada a questão do gênero biológico ou ao que a pessoa alega se identificar: por ser de família em que minha mãe queria ter uma prole “feminina”, trazemos nós que nascemos homens, esse “desejo maternal” na memória fetal. Até hoje, a masturbacao para mim, quando ocorre é quando me sinto mais ansioso, nunca por prazer. Antes de me tornar adolescente, o que os pediatras tratam como descoberta do pênis, no desenvolvimento da criança, eu me tocava como se não quisesse o membro ali! Apesar de ter sido adolescente numa época em que nem se imaginaria ler que cisgenero homossexual era “possível”, foi justamente com homens cisgeneros e que eu imaginaria que namorariam mulher, que me relacionei e até namorei: Termos os chamados corpos viris, Nunca impediu a ereção mútua!

    Gostar

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: