Coreia do Sul “contra a homossexualidade”. A sério?

Muito se fala da Coreia do Norte e da ditadura implacável cada vez mais ameaçadora de Kim Jung Un, totalmente opressora dos direitos individuais de liberdade e expressão. Mas, tal como muitos países do Pacífico Oeste, a Coreia do Sul, vizinha capitalista e opulenta da Coreia do Norte, não está isenta de intolerância. No âmbito de uma entrevista televisiva enquadrada nas campanhas presidenciais que irão ocorrer no país no próximo mês, Moon Jae-in, candidato liberal e favorito ao posto, afirmou ser “contra a homossexualidade“.

Ora, não falamos aqui sequer de aprovação de leis que protegem pessoas LGBT no país ou que as impedem de discriminação no acesso ao casamento ou adoção por casais do mesmo sexo.  Não, o candidato “liberal” à presidência recusa-se mesmo a aceitar pessoas homossexuais enquanto cidadãs e seres humanos iguais a todos os outros. Este estigma da homossexualidade na Coreia do Sul tem vindo a ser recorrente: este mês foi também revelado que o Chefe Maior das Forças Armadas, General Jung Jun-kyu, havia declarado uma caça a todos os oficiais que tivessem comportamentos homossexuais. Uma autêntica caça às bruxas que incluía criar perfis falsos em aplicações de encontros para serem apanhados em flagrante e demitidos do exército, que proíbe a admissão de soldados homossexuais.

Tudo isto acontece no país que nos dá as Girls’ Generation, os BIGBANG e tantas outras bandas de pop (ou K-Pop) tão absolutamente extravagantes que criam cultos fervorosos dentro da comunidade gay deste lado do planeta. Inclusivamente, muitos dos tablóides sul-coreanos desperdiçam inúmeras páginas a discutir a possível homossexualidade de muitos dos elementos masculinos destas bandas milionárias e opulentas. Cheira ainda a anos 90 na Coreia do Sul. Esperemos que coisas como estas (em baixo) façam acordar generais e candidatos à presidência. Não há como não, o top de vendas sul coreano – que, numa nota pessoal, eu VENERO – é mais gay que o Trumps em dia de “visita” do Harry Louis.

Fonte: PinkNews 

Advertisements