Queer Porto 7: “Deus tem AIDS”, “Mansa” e “O Teu Nome É” brilham na noite de encerramento

Teve lugar este sábado a Sessão de Encerramento do Festival de Cinema Queer Porto 7, no Pequeno Auditório do Teatro Rivoli, onde foram anunciados os prémios da Competição Oficial, Competição In My Shorts de Curtas-metragens de Escola Portuguesas, e do Prémio Casa Comum.

Tendo decorrido já com o levantamento das restrições de lotação de sala, a 7ª edição do Queer Porto pôde também já voltar a receber pessoas convidadas internacionais, assim como várias realizadoras portuguesas. De destacar igualmente o alargamento do programa e atividades do festival a vários espaços da cidade do Porto, com expressiva adesão do público, declarou a organização do Queer Porto.

Nesta noite foram anunciados os nomes vencedores da sétima edição do Queer Porto e menções especiais:

PALMARÉS QUEER PORTO 7

COMPETIÇÃO OFICIAL:

Júri: Amarante Abramovici (Realizadora, Programadora), Daniel Gorjão (Ator, Programador), larose s. larose (Artista)

Melhor Filme: “Deus tem AIDS”, de Fábio Leal & Gustavo Vinagre (Brasil, 2021, 82’)

Deus Tem AIDS é falar no agora de um tema com quarenta anos, que nos desafia a uma renovada leitura do que é a vida de alguém portador da doença. Através da soberba e inclusiva escolha de protagonistas, e das suas práticas artísticas, este é um filme de empoderamento e consciencialização para uma realidade ignorada, quando não estigmatizada. Um filme que nos fala da vida e não de vítimas”.

Menção Especial: “Genderation”, de Monika Treut (Alemanhã, 2021, 88’)

“Uma representação rara e muito necessária de pessoas trans mais velhas. Um projeto vital para a nossa comunidade, para documentar essas histórias de esperança; tão relevante e poderoso hoje quanto a genderation era há vinte anos atrás”.


Prémio do Público: “Deus tem AIDS”, de Fábio Leal & Gustavo Vinagre (Brasil, 2021, 82’)

COMPETIÇÃO DE FILMES DE ESCOLA PORTUGUESES IN MY SHORTS:

Júri: Amarante Abramovici (Realizadora, Programadora), Daniel Gorjão (Ator, Programador), larose s. larose (Artista)

Melhor Filme: “Mansa”, de Mariana Bártolo (Portugal, Alemanha, 2021, 22’)

“Um filme que cativa pela sua genuinidade, pela complexidade na composição das personagens e direção de atores, retratando uma realidade com múltiplos sentidos de leitura. Uma obra que nos deixa com vontade de ver mais trabalho de Mariana Bártolo”.
 

PRÉMIO CASA COMUM:

Júri: Ana Gabriela Cabilhas (Presidente da Federação Académica do Porto), Jorge Gato (Psicólogo), Marinela Freitas (Investigadora)

Melhor Filme: “O Teu Nome É”, de Paulo Patrício (Portugal, Bélgica, 2021, 24’)

“Por apresentar uma forte crítica social em relação à violência contra os corpos trans, migrantes, doentes, pobres, tornados precários, e invisibilizados; por fazer esta crítica a partir de uma história local, mas que é também universal; por trazer um novo olhar sobre a história de Gisberta, aliando o registo documental a uma linguagem estética original; e por manter viva a única voz ausente do filme no espaço da cidade”.
 

Menção Especial: “Tracing Utopia”, de Catarina de Sousa & Nick Tyson (Portugal, 2021, 26’)

“Por apresentarem um trabalho notável sobre a criação de espaços seguros para adolescentes que se identificam de forma não-binária; por sublinharem os efeitos do isolamento social no contexto da pandemia e a importância das comunidades queer; e por desenvolverem uma linguagem estética que alia o virtual ao real, aproximando-se assim do quotidiano das pessoas retratadas”.

A organização anunciou igualmente que a próxima edição do Queer Porto irá decorrer em outubro de 2022 no renovado Cinema Batalha.


Ep.138 ESPECIAL: Opiniões sobre comunidade LGBTI+ com Cairo Braga, André Tecedeiro, Luísa Semedo e Pedro Carreira Dar Voz a esQrever: Notícias, Cultura e Opinião LGBTI 🎙🏳️‍🌈

Episódio ESPECIAL: Opiniões sobre comunidade LGBTI+ com Cairo Braga, André Tecedeiro, Luísa Semedo e Pedro Carreira. Cairo Braga tem neste episódio especial o duplo-papel de pessoa convidada e moderadora de uma conversa sobre a série de artigos de opinião que surgiram nos últimos dias sobre as identidades e vivências da comunidade LGBTI+… escritas quase na totalidade por homens heterossexuais, cisgénero, brancos e de meia idade. Para tal, juntam-se a Cairo o André Tecedeiro, a Luísa Semedo e o Pedro Carreira para uma conversa na primeira pessoa sobre este ataque, aproveitamento e obsessão que algumas pessoas comentaristas têm para falar da comunidades LGBTI+. A não perder! Artigos por pessoas LGBTI+ mencionados no episódio: A chave do armário e o orgulho da invisibilidade (por Luísa Semedo) De onde vem o que julga saber? Já conversou com pessoas trans e não-binárias? (por André Tecedeiro) O bullying dos opinion-makers (por Ana Aresta) Destransição: Dos mitos aos factos (por Pedro Carreira) Sigam e descubram o trabalho de: Cairo Braga André Tecedeiro Luísa Semedo Música por Fado Bicha: Fado Alice (com Alice Azevedo); Jingle por Hélder Baptista 🎧 Este Podcast faz parte do movimento #LGBTPodcasters 🏳️‍🌈 Para participarem e enviar perguntas que queiram ver respondidas no podcast contactem-nos via Twitter e Instagram (@esqrever) e para o e-mail geral@esqrever.com. E nudes já agora, prometemos responder a essas com prioridade máxima. Podem deixar-nos mensagens de voz utilizando o seguinte link, aproveitem para nos fazer questões, contar-nos experiências e histórias de embalar: https://anchor.fm/esqrever/message 🗣 – Até já unicórnios 🦄
  1. Ep.138 ESPECIAL: Opiniões sobre comunidade LGBTI+ com Cairo Braga, André Tecedeiro, Luísa Semedo e Pedro Carreira
  2. Ep.137 – Becoming All Alone: Homens Cisgenerais, Telescópio Homofóbico e Queer Lisboa 26
  3. Ep.136 – Break My Soul: Padre em apuros e Friends redimidos

O Podcast Dar Voz A esQrever 🎙🏳️‍🌈 está disponível nas seguintes plataformas:
👉 Spotify 👉 Apple Podcasts 👉 Google Podcasts 👉 Pocket Casts 👉 Anchor 👉 RadioPublic 👉 Overcast 👉 Breaker 👉 Podcast Addict 👉 PodBean 👉 Castbox 👉 Deezer

Deixa uma resposta