Os 33 Melhores Filmes LGBT (segundo o British Film Institute)

A semana passada o British Film Institute (BFI), entidade britânica responsável pela promoção e preservação da 7ª arte, revelou a sua lista dos melhores filmes LGBT de sempre. Mais de 100 cineastas, críticos e programadores – não fosse o BFI também responsável pelo London Film Festival – votaram naqueles que consideram as mais fulcrais obras de cinema que abordem a temática.

Grande parte da lista consiste de filmes relativamente recentes, contrastando com o prestigiado top lançado pela Sight & Sound, revista também da responsabilidade do BFI, que contém apenas três filmes posteriores a 1980 no seu top 30. A razão pela discrepância parece óbvia e retém-se principalmente na mudança de atitude para com assuntos LGBT nas passadas décadas e também na emergência de cineastas gay que não se inibem de impregnar na sua arte a realidade das suas vidas.

Assim não é de estranhar o filme que encabece a lista seja Carol, já bem destacado e elogiado neste espaço, lançado há menos de um ano e da autoria de um dos mais importantes cineastas do panorama independente norte-americano, Todd Haynes. Assumidamente gay, Haynes não é estranho a pessoas LGBT na sua filmografia, bastando lembrar a força disruptiva do silenciamento do desejo sexual entre pessoas do mesmo sexo nos anos 50 em Longe do Paraíso, com Julianne Moore e Dennis Quaid. Essa mesma problemática é abordada e expandida em Carol, uma imensa obra-prima de claustrofobia e tensões inacreditáveis, seja elas causada pelas interpretações arrebatadoras de Cate Blanchett e Rooney Mara ou pela forma como Haynes faz navegar o amor despertado entre as suas personagens no meio do preconceito e intolerância desse mesmo período.

Também na lista estão outros filmes já aqui mencionados, sejam eles o já clássico romance intemporal e trágico de Ang Lee em O Segredo de Brokeback Mountain, o igualmente doloroso Felizes Juntos de Wong Kar Wai, a exploração de identidade e maturidade emocional de A Vida de Adèle de Abdellatif Kechice ou o recente drama cómico Tangerine de Sean Baker, cujas protagonistas trans fizeram história de várias formas, incluindo a vitória de Mya Taylor nos Independent Spirit Awards no mês passado.

O segundo lugar foi para Amor de Fim de Semana de Andrew Haigh, entretanto famoso também pela série Looking e o filme 45 Anos, uma incrível história de amor fugaz mas transfigurante capaz de mudar vidas, das personagens e dos próprios espectadores. Para além de obras de Pedro Almodóvar, Rainer Werner Fassbinder e Stephen Frears também estão figurados filmes tão importantes como o desnorteante conto de um prostituto em A Caminho de Idaho de Gus Van Sant ou o sórdido desencanto Hollywoodesco de David Lynch em Mulholland Drive, o único filme da lista presente também na da Sight & Sound.

Deixamos uma pequena galeria com os dez filmes que alcançaram o topo da lista bem como o desejo de que o cinema LGBT seja cada vez mais uma constante de qualidade e inclusão. Com obras deste calibre avançamos certamente no caminho certo.

Este slideshow necessita de JavaScript.

1. Carol, de Todd Haynes

2. Amor de Fim de Semana, de Andrew Haigh

3. Felizes Juntos, de Wong Kar-Wai

4. O Segredo de Brokeback Mountain, de Ang Lee

5. Paris is Burning, de Jennie Livingston

6. Febre Tropical, de Apichatpong Weerasethakul

7. A Minha Bela Lavandaria, de Stephen Frears

8. Tudo Sobre a Minha Mãe, de Pedro Almodóvar

9. Um Cântico de Amor, de Jean Genet

10. A Caminho de Idaho, de Gus Van Sant

11. Tangerine, de Sean Baker, As Lágrimas Amargas de Petra von Kant, de Rainer Werner Fassbinder e A Vida de Adèle, de Abdellatif Kechiche

14. Raparigas de Uniforme, de Leontine Sagan & Carl Froelich, Show Me Love, de Lukas Moodysson e Orlando, de Sally Potter

17. A Vítima, de Basil Dearden

18. Je, tu, il, elle, de Chantal Akerman

19. Looking for Langston, de Isaac Julien

20. Beau Travail, de Claire Denis, e Uma Bela Atracção, de Hettie Macdonald

22. O Desconhecido do Lago, de Alain Guiraudie, Teorema, de Pier Paolo Pasolini, The Watermelon Woman, de Cheryl Dunye, Pariah, de Dee Rees, Mulholland Drive, de David Lynch,

27. Portrait of Jason, de Shirley Clarke e Um Dia de Cão, de Sidney Lumet, Morte em Veneza, de Luchino Visconti, Pink Narcissus, de James Bidgood, Domingo, Maldito Domingo, de John Schlesinger, Maria-Rapaz de Céline Sciamma e O Funeral das Rosas, de Toshio

Fontes: 1, 2

Anúncios