Rússia: Crimes de Ódio Contra População LGBT Duplicam Desde Proibição Da “Propaganda Gay”

Na Rússia, os crimes de ódio contra pessoas lésbicas, gays, bissexuais e trans duplicaram em cinco anos, na sequência da lei que proíbe a “propaganda gay“. Os assassínios representaram quase 200 dos 250 crimes analisados desde 2013, ano em que entrou em vigor a proibição sobre qualquer “propaganda a relações sexuais não-tradicionais” a menores de idade.

(Agressores) tornaram-se mais agressivos“, disse Svetlana Zakharova, ativista da Russian LGBT Network, o maior grupo pela defesa dos direitos dos homossexuais na Rússia. “Parece-lhes até que o governo apoia as suas ações. Muitos agressores falam abertamente sobre os seus crimes como ações nobres“.

O número de sentenças para crimes contra pessoas LGBT aumentou de 18 em 2010 para 65 em 2015. A maioria das vítimas era homem homossexual.

Os pesquisadores de São Petersburgo explicaram que, ainda assim, os números que encontraram são subestimados, pois muitos crimes de ódio não são relatados, investigados ou sequer processados.

A homossexualidade na Rússia, onde a influência da conservadora Igreja Ortodoxa cresceu nos últimos anos, foi uma ofensa criminal até 1993 e classificada como uma doença mental até 1999.

A lei da “propaganda gay”, utilizada para impedir as Marchas do Orgulho LGBT e deter ativistas dos direitos da população LGBTI russa, é vista como uma posição do presidente Vladimir Putin de forma a reprimir a dissidência e aproximar-se da Igreja Ortodoxa.

A Rússia foi classificada como o segundo pior país europeu no que diz respeito a direitos LGBTI em 2016 pela ILGA-Europe, apenas acima do Azerbeijão.

Fontes: Reuters e Imagem.

Anúncios