Carta aberta a J.K. Rowling

Publicamos hoje a carta aberta que a organização Mermaids publicou como resposta ao artigo da autora J.K. Rowling. Esta entidade britânica apoia crianças, jovens trans e de género diverso, tal como as suas famílias, desde 1995. Após meses de alegações por parte da autora consideradas transfóbicas por diversas associações pela defesa das pessoas trans e o seu reforço das mesmas nos últimos dias, assim se pode ler:

Cara J.K. Rowling,

Gostaríamos de começar por lhe mostrar solidariedade como sobrevivente de abuso doméstico e sexual. Ao lermos o seu comovente e honesto texto, sentimos uma ligação com a sua dor. Essa ligação existe entre nós, independentemente de quaisquer diferenças que possamos ter em relação à identidade de género. Escrever essas passagens deve ter-lhe sido muito difícil e a manchete subsequente da primeira página de um tablóide foi deplorável. Como instituição de caridade trans, a nossa equipa e pessoas voluntárias lidam regularmente com casos de abuso doméstico e mantemos uma solidariedade inquestionável com todas as pessoas sobreviventes de violência doméstica. Nenhuma vítima ou grupo vulnerável deve ser usado para vender jornais.

Certamente está ciente de que o seu texto também foi difícil para muitas pessoas trans e as suas famílias lerem. Até há pouco tempo, contávamos consigo como uma autora respeitada e figura pública que ajuda a apoiar e inspirar vidas trans. Nesta semana, testemunhámos jovens trans a expressar choque e consternação ao encontrarem-se em desacordo com a autora das adoradas histórias de Harry Potter. Muitas dessas crianças e adolescentes cresceram sentindo-se presas e com medo nas suas vidas diárias e encontraram nas suas histórias uma promessa de que o mais temível dos inimigos pode ser superado com a compreensão e a bondade de amizades íntimas e pessoas adultas benevolentes. Como membro não binário da nossa equipa, Jake Edwards, escreveu ontem:

Para mim, Harry Potter significava que não importa quem és ou como nasceste, ou quão diferente ou difícil foi a tua vida, se lutasses contra a opressão com amor, vencerias. Aos 24 anos, estou a perceber que isso pode não ser verdade. E isso magoa-me.

Esta carta aberta não é um ataque pessoal. Também não é um pedido para quem pretende enviar mensagens abusivas ou fazer alegações infundadas. Lamentamos qualquer comportamento desse tipo e renovamos o nosso pedido de longa data de uma conversa calma e razoável longe das redes sociais, onde todas as pessoas podem ouvir respeitosamente umas às outras e as pessoas trans serão tratadas como válidas.

Para declarar a nossa mensagem principal:

“Se não ouviu crianças trans, não fale sobre elas.”

Agora gostaríamos de abordar alguns dos pontos levantados no seu texto. Em primeiro lugar, reconhecemos com gratidão que aceita a transição como uma solução em casos de disforia e reconhece que as pessoas trans precisam e merecem proteção.

No entanto, também escreve que compartilha as preocupações de pessoas que estão:

“… preocupadas com os perigos para jovens, gays e com a erosão dos direitos das mulheres e raparigas. Acima de tudo, estão preocupadas com um clima de medo que não serve a ninguém – muito menos a juventude trans.

Certamente, é claro, olhando para as organizações LGBTI e olhando rapidamente para a resposta ao seu texto que a grande maioria de jovens e pessoas LGB apoiam direitos trans e sentem um enorme desconforto com a maneira como as pessoas trans estão a ser deturpadas por figuras de autoridade. O movimento moderno pelos direitos LGBTI foi, afinal, desencadeado por um protesto liderado por mulheres trans não brancas.

Para abordar o ponto principal do seu argumento, os direitos trans não são prejudicados pelos direitos das mulheres. Não vemos nenhuma evidência de que raparigas trans sejam uma ameaça para outras raparigas de forma alguma. De facto, são as crianças trans que frequentemente sofrem bullying horrível na escola e em casa. E, como deve ter visto, são as pessoas adultas trans que sentem medo na sociedade britânica moderna, por quem procura caracterizá-las como uma ameaça sem nenhuma evidência ou justificação e diante de consideráveis ​​evidências em contrário.

A sua objeção aos direitos trans parece basear-se na reforma da Lei do Reconhecimento de Género de 2004, que, de facto tem o potencial de permitir que pessoas trans se identifiquem sem terem que passar por um longo processo. Escreve:

“… Quando abrimos as portas de casas de banho e dos balneários para qualquer homem que acredite ou se sinta mulher – e, como eu disse, os certificados de confirmação de género agora podem ser concedidos sem a necessidade de cirurgia ou hormonas – abrimos a porta para todo e qualquer homem que deseje entrar. Essa é a verdade simples.

Não é simples e certamente não é verdade afirmar que, sob a atual Lei do Reconhecimento de Género de 2004 (que ainda exige um processo complicado, médico e demorado) “qualquer homem que acredite ou se sinta mulher” pode ser legalmente reconhecido desse género. Além disso, o acesso a casas de banho e vestiários geralmente não é controlado ou restrito com base no género legal; portanto, o argumento de que os certificados de reconhecimento de género “abrem as portas das casas de banho e dos vestiários” é falso e questionável. Embora não ofereça evidências que confirmem a sua sugestão de que a maioria das mulheres se opõe a mudanças em torno do acesso a casas de banho femininas, podemos oferecer evidências em contrário. Num estudo sobre comentários nas redes sociais de homens e mulheres sobre esse problema, uma pesquisa dos EUA descobriu que:

As observações deste artigo não sustentam a crença de que a maioria das mulheres é contra mulheres trans que usam casas de banho femininas: descobrimos que, na amostra, cerca de 70% das usuárias cisgénero partilham comentários não negativos e cerca de metade dos comentários negativos de mulheres cisgénero são incidentais.

A alegação de que um reconhecimento mais simples de género levará a vestiários e casas de banho inseguros é ainda mais prejudicada por um estranho e ignominioso capítulo da história da Carolina do Norte, onde, em 2016, essas mesmas preocupações levaram à introdução de uma lei exigindo que as pessoas usem apenas casas de banho que correspondem ao sexo indicado na certidão de nascimento. A nova lei não apenas causou um aumento na transfobia, mas também abriu a possibilidade de aumentar o assédio a mulheres em casas de banho públicas que não eram trans, mas que não se vestiam ou se apresentavam de maneira “feminina”. Isso também significava que homens trans estavam a ser forçados a usar o casas de banho femininas. No final, um juiz federal derrubou a perigosa e impraticável legislação em 2019.

Uma análise posterior dos EUA sobre “Evidências sobre segurança e privacidade em casas de banho públicas, vestiários e balneários” afirmou que as pessoas que se opunham aos direitos trans:

… Frequentemente citam o medo de insegurança e violação da privacidade em casas de banho públicas se essas leis fossem aprovadas… Nenhuma evidência empírica foi reunida para testar os efeitos dessas leis… Este estudo constata que a aprovação de tais leis não está relacionada ao número ou frequência de incidentes criminais nesses espaços. Além disso, o estudo constata que relatos de insegurança e violação da privacidade em casas de banho públicas, vestiários e balneários são extremamente raros. Este estudo fornece evidências de que os temores de maiores violações de segurança e privacidade como resultado de leis de não discriminação não são empiricamente fundamentados.

Usou o seu talento considerável como escritora para criar na mente do seu público um cenário em que as casas de banho das mulheres são “abertas” para o mundo exterior, permitindo que qualquer predador entre sem contestação e cometa actos nefastos.

Mas espere. As mulheres trans já têm o direito de usar as instalações que se alinham à sua identidade de género e essas proteções estão em vigor desde a Lei da Igualdade de 2010. A Lei do Reconhecimento de Género trata de alterar apenas a sua certidão de nascimento e ninguém precisa apresentar uma certidão de nascimento para use uma casa de banho ou um vestiário.

Desde 2010, se os predadores usaram as disposições da Lei da Igualdade de 2010 para obter acesso aos espaços ‘femininos’, não estamos cientes disso, nem evidências de tal padrão foram citadas por quem gostaria de consolidar um dos ataques mais comuns aos direitos das pessoas trans. Nem a autodeterminação, adotada em muitas nações do mundo, levou ao abuso de sistemas.

Homens que atacam mulheres vulneráveis são um problema mundial, mas isso não tem nada a ver com pessoas trans. Pelo contrário, as pessoas trans geralmente estão muito mais preocupadas em aceder a casas de banho e vestiários do que mulheres cisgénero, porque temem ser abusadas verbalmente ou atacadas por pessoas que não acham que deveriam lá estar.

Continua por dizer que “este é o período mais misógino que já vivi“. E acrescenta: “Em todos os lugares, as mulheres estão a ser instruídas a calarem-se e a sentarem-se, senão…“.

Na Mermaids, unimo-nos a si e a pessoas amigas de algumas das organizações feministas mais antigas do Reino Unido, pedindo que todas as mulheres sejam protegidas da violência e da misoginia, e pedimos o desmantelamento do patriarcado que causa tantos danos em todos os níveis da sociedade, inclusive contra homens e rapazes. Também devemos reconhecer que a grande maioria das vozes que compartilham informações erradas e atacam abertamente pessoas trans online, na imprensa e na política, são de mulheres. Embora esse fenómeno esteja enquadrado no contexto dos direitos das mulheres, as nossas muitas orgulhosas defensoras são a prova de que ser feminista não justifica demonizar ou desumanizar pessoas trans.

No seu texto, explica que o seu interesse nesta questão vem em parte da sua caridade, que, entre outras coisas, apoia projetos para mulheres imprisionadas e sobreviventes de abuso doméstico e sexual.

Muito foi dito sobre o risco para as mulheres, por pessoas trans que acessam instalações prisionais segregadas por sexo. Estatisticamente, o número de pessoas transgénero conhecido nas prisões em Inglaterra e no País de Gales é 125 de uma população prisional total de 84.000. Isso equivale a 0,15%, abaixo da incidência estimada de pessoas trans na população em geral. Portanto, não há evidências de uma tendência de homens disfarçados de mulher acederem a espaços com mulheres presas. Sim, existe o caso de Karen White, uma mulher trans que agrediu sexualmente duas mulheres numa prisão preventiva em New Hall, Wakefield, mas não se pode ignorar que isso representou um colapso indesculpável na prisão, salvaguardando a segurança e os processos, em vez de um motivo para classificar as mulheres trans como uma ameaça. As mulheres abusivas são geralmente colocadas nas prisões masculinas devido ao aumento das medidas de segurança em vigor. Concordamos que mais deve ser feito para manter as prisioneiras a salvo de ataques de todos os presos, cis ou trans.

É um percalço comum, impreciso e, em última análise, destrutivo, usar casos tão limitados para imputar criminalidade a todas as pessoas trans e retratá-las como uma ameaça sexual às mulheres cis. Esta pesquisa mostra que mulheres trans não são uma ameaça maior para as mulheres do que outras mulheres cisgénero.

No caso de refúgios, agradecemos por reconhecer no seu texto que mulheres e pessoas trans geralmente incorrem em grande risco de abuso. Os nossos 25 anos de experiência no apoio à juventude trans dizem-nos que os refúgios são um serviço vital para as mulheres vulneráveis. Não conhecemos evidências de que as mulheres trans sejam uma ameaça para outras mulheres em refúgios, e os refúgios são inclusivos há muitos anos, para nosso conhecimento sem incidentes. O relatório Stonewall ‘Apoiando mulheres trans em serviços de violência doméstica e sexual’ aponta para os sistemas robustos de proteção em vigor para proteger as utilizadoras e a necessidade de garantir que as mulheres trans sejam apoiadas devido às crescentes barreiras que enfrentam no acesso ao apoio devido. Além disso, como resultado de barreiras ao apoio às mulheres trans, 24% das mulheres trans não contam a ninguém sobre os abusos aos quais foram submetidas.

Seguindo em frente, lemos com interesse o seu argumento de que você é uma antiga professora e também fundadora de instituição de caridade infantil, o que lhe dá interesse tanto na educação quanto na proteção: “Como muitos outros, tenho profundas preocupações com o efeito que o movimento pelos direitos trans está a causar em ambos.”

Seria útil conhecer as evidências que você tem de que os direitos trans estão a afectar a educação ou a sua proteção. Os direitos trans não os afetam, assim como o direito ao casamento igualitário não afetou os direitos de heterossexuais cisgénero em se casar. As alegações de que os direitos trans removem ou afetam negativamente os direitos de mulheres e raparigas não são comprovadas, são inflamatórias e falsas, da mesma maneira que a Secção 28 permitiu que a desigualdade floresecesse e afetou uma geração de pessoas LGBTI. A Lei da Igualdade de 2010 aplica-se igualmente a todas as características protegidas.

Expressa preocupações “sobre a enorme explosão de mulheres jovens que desejam fazer a transição.”, afirmando: “Se tivesse nascido 30 anos mais tarde, também eu poderia ter tentado fazer a transição. O fascínio em escapar da feminilidade teria sido enorme. Lutei com Perturbação obsessiva-compulsiva grave quando adolescente. Se eu não encontrasse a comunidade e a simpatia online que não encontrei no meu ambiente imediato, acredito que poderia ter sido persuadida a transformar-me no filho que o meu pai disse que preferia“.

É um triste reflexo da sociedade que qualquer jovem deve sentir que precisa escapar do seu sexo e concordamos que raparigas e mulheres jovens devem ter o poder de alcançar por si mesmas e nunca ter que viver de acordo com valores e expectativas datados e chauvinistas. Mas não vemos nenhuma evidência de que nenhum dos jovens trans que apoiamos esteja em transição porque desejam escapar da feminilidade para uma existência masculina mais fácil. Pelo contrário, a transição pode ser um processo assustador e desgastante. Embora possam haver jovens a experimentar de forma perfeitamente saudável a sua identidade de género, isso não é necessariamente o mesmo do que ter alguém em transição permanente ou seguindo um caminho médico.

Ainda assim, conversando com jovens rapazes e homens trans, fica claro que algo mudou na maneira como crianças e adolescentes se sentem capazes de expressar quem são. Enquanto alguns vêem isso como uma causa de alarme, nós o vemos como uma lufada de ar fresco, à medida que continuamos a emergir da era social do gelo da era vitoriana, hipócrita e espartilhada. Assim como houve um aumento no número de jovens que se sentem seguros o suficiente para se afirmaram gay e bi na escola, também há uma maior liberdade para falar abertamente sobre a identidade de género. Não está claro porque os rapazes trans estão agora mais representados do que as raparigas na população, mas certamente é bom permitir que jovens explorem suas identidades? O seu argumento contra isso, talvez, é que as raparigas podem seguir um caminho médico e arrependerem-se.

A implicação de que há uma tendência para pessoas não trans que recebem cirurgia de reatribuição de género é imprecisa. O acesso a intervenções médicas não é rápido nem fácil, com longos períodos de espera de mais de 2 anos, seguidos de extensos períodos de avaliação por especialistas do NHS. Menores de 18 anos não têm acesso à cirurgia e qualquer intervenção médica, incluindo bloqueadores de hormonas, depende das regras da competência Gillick em torno do consentimento, assim como qualquer outro procedimento.


A transfobia de J.K. Rowling e a resposta da Mermaids esteve em discussão no Podcast Dar Voz A esQrever 🎙🏳️‍🌈, oiçam:


Continua a afirmar que:

“(Os jovens) … em alguns casos, alteraram seu corpo irrevogavelmente e perderam a sua fertilidade.

Existem muitos relatos e pesquisas crescentes mostrando que a terapia hormonal não torna necessariamente uma pessoa infértil, embora tenha sido sugerido que tomar estrogénio ou testosterona possa, com o tempo, levar a uma completa perda de fertilidade. No entanto, isso não foi comprovado em nenhum ensaio clínico.

Além disso, um número crescente de pessoas trans viu o seu retorno à fertilidade depois de sair da terapia hormonal e deram nascimento a uma criança, com ou sem tratamento de fertilidade.

Algumas cirurgias tornam as pessoas inférteis, mas elas não estão disponíveis no Reino Unido até os 18 anos, altura em que a decisão foi tomada por uma pessoa adulta com total compreensão das consequências e há muitas discussões sobre o congelamento de óvulos e espermatozóides.

Vale a pena lembrar que o arrependimento cirúrgico é proporcionalmente muito baixo entre pacientes ambulatórios de afirmação de género e pesquisas que sugerem o contrário foram amplamente contestadas.

Expressa preocupação de que a homofobia possa estar a aumentar o número de jovens que se identificam como trans.

Alguns dizem que decidiram fazer a transição depois de perceberem que eram atraídos pelo mesmo sexo, e que a transição foi parcialmente motivada pela homofobia, na sociedade ou nas suas famílias“.

Pais e mães de jovens trans são frequentemente acusados de serem homofóbicos e é decepcionante ver uma implicação semelhante no seu texto. Podemos garantir que quem usufrui dos nossos serviços, pessoas funcionárias e voluntárias certamente não são homofóbicas e, na nossa experiência, é muito mais fácil na sociedade de hoje para um pai ou mãe aceitar uma criança gay do que entender as necessidades de um filho ou uma filha trans. No entanto, quando um pai ou mãe abraça a sua criança, independentemente da sua orientação sexual e/ou identidade de género, o amor e o apoio que mostram aos filhos e filhas trans são prova da sua abertura a identidades que não estão de acordo com as expectativas binárias antiquadas ou heterossexuais. De facto, muitos dos e das nossas jovens e funcionárias trans são gays e merecem ser aceites sem resistência sobre questões de género e sexualidade.

Evidências de vários estudos também apontam para o facto de que pessoas trans são muito mais propensas a ter relações homossexuais do que seus pares cisgéneros, negando completamente o argumento da homofobia. A Pesquisa Nacional sobre Discriminação de Transgéneros de 2015 relatou que “a orientação sexual da amostra demonstra um espectro diversificado de orientações sexuais entre pessoas não-conformistas e trans.

Entre as pessoas entrevistadas, 23% relataram orientação sexual lésbica ou gay; 24% identificados como bissexuais. O estudo continua:

Quem assume que todas as pessoas trans são heterossexuais após a transição está tão incorreta como quem assume que todas são gays, lésbicas ou bissexuais“. Isso também é confirmado pela nossa própria experiência da sexualidade de jovens que usufruem dos serviços da Mermaids.

AVISO: O parágrafo a seguir discute problemas em torno de suicídio e pode causar sofrimento.

Preocupa-nos o tom do seu texto quando abordou a questão das vidas trans e do suicídio. Não o citaremos aqui. Ainda assim, pareceu sugerir que não havia ligação entre impedir jovens de fazerema transição e pensamentos ou ações suicidas.

A pesquisa da instituição LGBTI Stonewall mostrou que quase metade de jovens trans tentou o suicídio. Isso é confirmado por vários estudos por todo o mundo.

Parece duvidar dessas estatísticas e implica que as pessoas usam o suicídio de pessoas trans como uma maneira dissimulada ou oportunista de ganhar uma discussão. É impossível expressar em palavras o quão horrível é essa alegação e esperamos sinceramente que não tenha sido a sua intenção. A nossa equipa derramou muitas lágrimas por jovens e amizades perdidas que achavam que simplesmente não podiam continuar a viver num mundo que as tratava com intolerância e desprezo. A nossa equipa e pessoas voluntárias da linha de apoio carregam cada uma dessas vidas com elas e pedimos que não menospreze o dano causado a vidas já vulneráveis por quem se recusa a reconhecer o caso de autoagressão e suicídio entre jovens trans.


Linhas de Apoio e de Prevenção do Suicídio em Portugal

Linha LGBT
De Quinta a Sábado, das 20h às 23h
218 873 922
969 239 229

SOS Voz Amiga
(entre as 16 e as 24h00)
213 544 545
912 802 669
963 524 660

Telefone da Amizade
228 323 535

Escutar – Voz de Apoio – Gaia
225 506 070

SOS Estudante
(20h00 à 1h00)
969 554 545

Vozes Amigas de Esperança
(20h00 às 23h00)
222 080 707

Centro Internet Segura
800 219 090


A última declaração no seu texto que gostaríamos de mencionar é:

Li todos os argumentos sobre feminilidade que não residem no corpo sexuado e as afirmações de que mulheres biológicas não têm experiências comuns são profundamente misóginas e retrógradas.

Longe de serem retrógrados ou misóginos, baseiam-se nas mais recentes pesquisas científicas, aceites globalmente pelas principais equipas que estudam biólogia de género do mundo. Não detalharemos a ciência em torno disso aqui, mas talvez este artigo de uma bióloga possa ser útil. Em suma, a biologia não é tão binária ou tão simples como supomos frequentemente e apenas porque não sente disparidade entre a sua própria identidade de género e quem você é, isso não o qualifica a agir como uma “guardiã da classificação de género” para outras pessoas.

J.K. Rowling, encerra o seu texto olhando para o futuro e imaginando uma “ironia suprema” quando “a tentativa de silenciar as mulheres com a palavra ‘TERF’ pode ter levado mais mulheres jovens ao feminismo radical …

No entanto, olhamos para o presente e já podemos ver cada vez mais jovens, mulheres e pessoas não binárias a expressar-se livremente, rejeitando o patriarcado das gerações anteriores e anunciando as suas verdadeiras identidades de género, usando a sua própria linguagem e nos seus próprios termos. Longe de levar a maioria das mulheres jovens ao feminismo radical, está a impulsionar um movimento coletivo em direção a uma maior aceitação e compreensão de que somos todos e todas indivíduos e que o género é algo pessoal para cada um e cada uma de nós. Como diz no seu texto:

Eu nunca esqueço essa complexidade interna quando estou a criar uma personagem fictícia e certamente nunca a esqueço quando se trata de pessoas trans“.

Esse “movimento” de género não é projetado ou organizado por entidades políticas, pais, mães, influenciadoras, trabalhadoras de caridade ou autoras de meia-idade; nasce de vozes trans vibrantes que têm controlo sobre quem são e pedem simplesmente para serem respeitadas.

Lemos atentamente o seu texto e prestámos atenção às suas palavras finais:

Tudo o que estou a pedir – e tudo o que quero – é que uma empatia e um entendimento semelhantes sejam estendidos a muitos milhões de mulheres cujo único crime é querer que as suas preocupações sejam ouvidas sem receber ameaças e abusos.

Não consideramos crime mulheres expressarem a sua preocupação. No entanto, consideramos abusivo e prejudicial quando as pessoas confundem mulheres trans com predadores sexuais masculinos, imputam criminalidade sexual em identidades trans, sugerem que o apoio a uma criança trans é homofobia e misoginia dos pais e mães e compartilham informações não corroboradas e imprecisas que prejudicam gravemente a vida de pessoas trans e não binárias.

Novamente, pedimos que todas as ameaças e abusos terminem de ambos os lados desta conversa.

Da nossa parte, tudo o que pedimos é que se encontre com jovens trans e ouça com mente e coração abertos.

Não fale sobre crianças trans, a menos que as tenha ouvido primeiro.

Com os melhores cumprimentos,
A equipa Mermaids


T4 | Ep.1 – ESPECIAL FÉRIAS com SAWYER GONÇALVES-CARREIRA Dar Voz a esQrever: Pluralidade, Diversidade e Inclusão LGBTI 🎙🏳️‍🌈

  1. T4 | Ep.1 – ESPECIAL FÉRIAS com SAWYER GONÇALVES-CARREIRA
  2. T3 | Ep.12 – Com DANI(ELA) FILIPE BENTO: Não binarismo, LGBTfobia na Polónia, Cancel Culture e Ellie do The Last of Us 2
  3. T3 | Ep.11 – Com SANDRA GOMES: Pessoas que Menstruam, Halle Berry Bem, Coming Out Anónimo no Futebol e Livros!

O Podcast Dar Voz A esQrever 🎙🏳️‍🌈 está disponível nas seguintes plataformas:

👉 Spotify 👉 Apple Podcasts 👉 Google Podcasts 👉 Pocket Casts 👉 Anchor 👉 SoundCloud 👉 RadioPublic 👉 Overcast 👉 Breaker 👉 Podcast Addict 👉 PodBean 👉 Castbox 👉 Deezer

Se não estivermos ainda disponíveis na vossa app favorita, podem subscrever via 👉 RSS.

A processar… ⏱
Sucesso! 🌈

3 comments

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s