Direitos Família Homofobia Notícias Política Saúde Trans

Lei Histórica de Autodeterminação de Género Aprovada no Parlamento Português

embaixada eua portugal pride lgbt assembleia da república rainbow flag

Depois de se ver aprovada a lei de autodeterminação de género na Subcomissão para a Igualdade e Não Discriminação – em parte pela ausência do CDS por “motivos de agenda”, a mesma foi submetida em votação em plenário na Assembleia da República e passou na generalidade com votos contra do CDS e do PSD e votos a favor do PS, BE, Verdes e PAN. O PCP absteve-se na votação geral e Teresa Leal Coelho foi a única deputada do PSD a votar a favor de todos os artigos visados em votação. “Um dia histórico” disse, emocionada, Isabel Moreira do grupo parlamentar do PS em plenário. E é mesmo.

Esta lei agora aprovada visa a autodeterminação de género a partir dos 16 anos, sendo então possível fazer a mudança os documentos de identificação no Registo Civil em conformidade com o género determinado pelo próprio ou própria. Muita discussão aconteceu nas redes e colunas de opinião que procura desvirtuar o quotidiano doloroso das pessoas trans em viver legalmente vinculadas a um género que não é o delas. O próprio processo de luta contra a discriminação, internalizada e depois externa, é moroso para qualquer pessoa trans e só depois disso acontece um verdadeiro reconhecimento identitário. O CDS tentou várias vezes, inclusivamente no dia de hoje no Jornal Económico num artigo de opinião escabroso, fazer crer que o que estava em causa era a possibilidade de menores iniciarem, sem a autorização dos pais nem de relatório médico, os processos cirúrgicos de redesignação sexual. É um metafórico arremessar de areia aos olhos do público que devia ser condenado também publicamente.

O que está e esteve sempre em discussão foi a possibilidade de qualquer pessoa se autodeterminar e escolher como quer ser identificada legalmente, sem a necessidade de testes nem relatórios médicos. Para o Estado, na escola, no trabalho. Muitos e muitas tomamos esse direito como garantido porque não passámos pelas agruras que muitas pessoas trans se batalham diariamente e não temos de pensar duas vezes como as instância superiores que aplicam a Lei Portuguesa nos podem percepcionar. Também  foi aprovada a proibição da mutilação genital em bebés intersexo e da manutenção de todas as características morfológicas até que a sua identidade de género pelo próprio ou própria seja manifestada.

Portugal junta-se assim a um conjunto ainda reduzido de países – que incluem a Noruega, Dinamarca, Bélgica, Irlanda e Malta – em que a luta LGBTI está bem representada na legislatura nacional. As pessoas trans sabem quem são. E hoje podem  sê-lo.

7 comentários

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: